Skip to content

Dezembro

Usina de Tele Pires vai a leilão após briga na justiça

No dia 17 de dezembro, foi a leilão a usina hidrelétrica de Teles Pires, no Mato Grosso.  O vencedor da disputa foi o consórcio Teles Pires Energia Eficiente, que deu um lance de R$ 58,36 por Mwh.  O consórcio é formado por Furnas (24,5%), Eletrosul (24,5%), Neoenergia (50,1%) e Odebrecht (0,9%).

Dias antes, o leilão estava impedido de acontecer por uma ação do Ministério Público Federal (MPF) na justiça que suspendia a licença ambiental. O MPF questionava o licenciamento isolado da usina, que fará parte de um complexo de seis hidrelétricas que serão construídas no rio Teles Pires.  Porém, a Advocacia Geral da União conseguiu derrubar a liminar e garantiu a continuidade da disputa.

Leia também: Licença prévia da usina Teles Pires é mais uma agressão aos povos amazônicos


Desmatamento cai, mas degradação florestal cresce 446% em outubro

O Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe) divulgou no começo do mês os dados do desmatamento no período 2009-2010, do sistema Prodes. O total de florestas desmatadas no período foi de 6.451 km², uma redução de 13,6% da devastação em relação ao mesmo período do ano anterior.

Os dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgados no dia 10 de dezembro, mas referentes a outubro, também mostraram queda no desmatamento (21%).  Entretanto, o Imazon registrou um aumento expressivo da degradação florestal da Amazônia, que chegou a 562 km² em outubro.

O Imazon considera como florestas degradadas áreas florestais intensamente exploradas pela atividade madeireira ou por queimadas.  Em comparação com o mesmo mês de 2009, houve o aumento de 446%, quando a degradação somou 103 quilômetros quadrados.


COP-16: Terminam as negociações

Aconteceu entre os dias 29 de novembro a 11 de dezembro a 16ª Conferência das Partes da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-16), em Cancún, no México.  Apesar das baixas expectativas, por causa da COP anterior que não conseguiu chegar a um acordo climático, a reunião teve a avanços.

Organizações e entidades brasileiras aproveitaram o evento para divulgar o Fundo Carbono Suruí, projeto de desenvolvimento sustentável e fortalecimento cultural aos povos da Terra indígena Sete de Setembro (RO).  A iniciativa faz parte do Projeto Carbono Suruí, que tem por objetivo financiar atividades de proteção, fiscalização, produção sustentável e melhoria da capacidade local dos indígenas, a partir da comercialização de créditos de carbono.


Ruralista fazem acordo para tentar votar pedido de urgência para o Código Florestal

Uma articulação da bancada ruralista e o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) tentou, durante as duas primeiras semanas de dezembro, acelerar a votação das mudanças do Código Florestal.  Os deputados conseguiram recolher assinaturas de dez lideranças partidárias na Câmara em um requerimento que pedia que o projeto fosse votado em regime de urgência.

Sem acordo e marcado por disputas entre ambientalistas e ruralistas, o texto do novo Código Florestal Brasileiro deverá ser votado na Câmara dos Deputados apenas em 2011.  Para ver a lista dos deputados que assinaram o requerimento com o pedido de urgência, clique aqui.

Veja também:

Documentos: Mega-projeto, Mega-riscos: Análise de Riscos para Investidores no Complexo Hidrelétrico Belo Monte

“A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010”

One Comment leave one →

Trackbacks

  1. Retrospectiva 2010

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: